"O meu olhar azul como o céu
É calmo como a água ao sol.
É assim azul e calmo,
Porque não interroga nem se espanta...

Se eu me interrogasse e me espantasse
Não nasciam flores novas nos prados
Nem mudaria qualquer coisa no sol,
de modo a ele ficar mais belo...

(Mesmo se nascessem flores novas no prado
E se o sol mudasse para mais belo,
Eu sentiria menos flores no prado
E achava mais feio o sol...

Porque tudo é como é e assim é que é
E eu aceito, e nem agradeço,
Para não parecer que penso nisso...)"

Alberto Caeiro
Diana Pereira
13/12/2011 07:34:43 pm

Parabéns Jorge!!
Felicitações pelo aniversário e pelo site.
Que contes muitos anos e recheados de fotografias.
beijinhos

Reply
ze joao
31/12/2011 02:37:23 am

Parabéns pelo site: bom gosto, qualidade de informação, imagens deliciosas. Alma de artista e rigor científico - que bela combinação!

Reply



Leave a Reply.

    António Jorge Barros

    Este é um espaço dedicado aos meus humores.

    Arquivo

    Abril 2012
    Dezembro 2011

    Categorias

    All
    Natal
    Poemas
    Postais

    RSS Feed

    Coisas de blogues amigos